Biblioteca
  • A Integração Latino-Americana e os Trabalhadores
    APRESENTAÇÃO

    As perguntas mais simples podem gerar respostas demasiadamente complexas: por que integrar? Por que os nossos povos e governos têm a necessidade de se integrarem? Se encontrarmos os motivos racionais e justos para essa integração, outras perguntas se impõem: por que
    esse processo de integração é tão difícil de ser executado? Quais são os entraves e desafios a serem superados?

    O texto a seguir é uma modesta contribuição aos trabalhadores e lutadores sociais da América Latina e Caribe e para que possamos juntos, num esforço coletivo, encontrar as respostas para essas indagações e, mais que isso, encontrar as bandeiras de lutas mais acertadas para que o processo de integração de nosso continente ocorra de maneira a beneficiar aos povos do nosso continente.

    Preparamos um texto introdutório para balizar os debates sobre o processo de integração em curso e uma espécie de guia, ainda que resumido, dos principais organismos que operam, em diferentes níveis, a atual tentativa de se integrar os países da chamada América Latina e Caribe, esse território que se inicia no México e vai até a Patagônia argentina, com sua imensa diversidade cultural, econômica, política, geográfica e ecológica.

    Uma porção do globo terrestre que reunida possui uma enorme potencialidade econômica por seus recursos naturais e humanos. 

    Esperamos que nosso esforço contribua para o entendimento do tema e para a luta da classe trabalhadora de Nossa América!

    Um grande abraço,

    Gilda Almeida
    Coordenadora do Centro Nacional de Estudos Sindicais e do Trabalho - Brasil
    Autor: Renato Soares Bastos - CES

    (Acesse o arquivo)

  • Os impactos das condições de trabalho sobre a subjetividade do professor de ensino superior privado de Campinas

    A expansão do ensino superior privado no Brasil avança rapidamente e a desregulamentação, financeirização e desnacionalização tem marcado fortemente este crescimento acelerado com grandes fusões entre instituições educacionais que seguem construindo conglomerados com participação na bolsa de valores, o que reforça o crescimento de uma concepção mercadológica do ensino privado no país.

    Esta concepção mercantil determina muitas das condições de trabalho dos professores nestas instituições e, consequentemente, estas condições de trabalho impactam a subjetividade destes professores.

    O presente estudo propôs como objetivo geral, pesquisar junto aos/as professores do Ensino Superior Privado, sindicalizados ao Sindicato dos Professores da Rede Privada de Ensino de Campinas e Região, como as suas subjetividades são impactadas e se manifestam a partir de determinadas condições de trabalho a que estão submetidos nas IES Privadas.

    Por impacto adota-se a definição de ser uma influência decisiva dos acontecimentos no decurso da história.

    Autor: Doutora Liliana Aparecida de Lima

    (Acesse o arquivo)